Envie uma mensagem :

© 2017

Esteatose Hepática - Fígado Gorduroso

January 3, 2019

 

 

Esteatose Hepática é o termo usado para descrever o excesso de gordura no fígado. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, não há uma “capa” de gordura ao redor do fígado: o que ocorre é um acúmulo de gotículas de gordura no interior, dentro das células que compõem o órgão.

A esteatose hepática é considerada a mais frequente doença de fígado da atualidade. Estima-se que ocorra em 20 a 30% da população em todo o mundo. Essa pode ocorrer em homens e mulheres, em todas as idades, incluindo as crianças e adolescentes. Também preocupante é a associação da esteatose, quando não controlada, com a maior frequência de diabetes e hipertensão arterial e com o maior risco de doenças cardiovasculares (infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral).

A esteatose é um problema frequente e que, na maioria das pessoas, não traz sintomas ou complicações. No entanto, em algumas pessoas, a esteatose pode se acompanhar de inflamação e dano hepático. Esta forma da doença se chama esteato-hepatite e pode evoluir (geralmente de forma lenta) à cirrose e suas consequências.

 

Sintomas
 

Na maior parte dos casos, a esteatose não tem sintomas. Fadiga e algum desconforto inespecífico ou dor leve na parte superior direita do abdome são eventualmente relatados.

 

Por que é importante a doença hepática gordurosa não alcoólica?

 

A doença hepática gordurosa não alcoólica é importante por vários motivos. Primeiro, é uma doença comum e está aumentando a prevalência. Em segundo lugar, a esteato-hepatite é uma causa importante de doença hepática grave, levando a cirrose e as complicações da cirrose - insuficiência hepática, hemorragia gastrointestinal e câncer de fígado . Em terceiro lugar, a doença hepática gordurosa não alcoólica está associada a outras doenças não-hepáticas muito comuns e graves, talvez a mais importante seja a doença cardiovascular que leva a doença cardíaca e AVC. O fígado gorduroso provavelmente não é a causa dessas outras doenças, mas é uma manifestação de uma causa de base que as doenças cardíacas compartilham. O fígado gorduroso, portanto, é uma pista para a presença dessas outras doenças graves que precisam ser abordadas.

 

Qual é a relação entre doença hepática gordurosa não alcoólica, obesidade e diabetes?

 

Obesidade e diabetes têm papéis importantes no desenvolvimento do fígado gorduroso. Considerando que um terço da população em geral (que inclui obesos e pessoas com diabetes) pode desenvolver doença hepática gordurosa não alcoólica, mais de dois terços das pessoas com diabetes desenvolvem doença hepática gordurosa não alcoólica. Entre os pacientes que são muito obesos e submetidos à cirurgia por obesidade, a maioria possui doença hepática gordurosa não alcoólica. Além disso, enquanto o risco de esteato-hepatite é inferior a 5% entre pessoas magras, o risco é mais de um terço entre os obesos. O fígado gorduroso aumenta tanto na prevalência como na gravidade à medida que o grau de obesidade aumenta. 

 

Qual é a relação entre a doença hepática gordurosa não alcoólica e a síndrome metabólica?

 

A síndrome metabólica é uma síndrome definida pela associação de várias anormalidades metabólicas que se acredita ter uma causa comum. Essas anormalidades metabólicas resultam em:

- obesidade,

- níveis sanguíneos elevados de triglicerídeos ,

- baixo nível de colesterol bom - HDL ,

- hipertensão arterial e

- aumento do nível de açúcar no sangue (diabetes).

 

A doença hepática gordurosa não alcoólica é considerada uma manifestação da síndrome metabólica e, portanto, ocorre frequentemente com as outras manifestações da síndrome. 

 

Fatores de Risco
 

Em pessoas que ingerem regularmente quantidades significativas de álcool (não importando se as bebidas são fermentadas ou destiladas), o fígado gorduroso pode se desenvolver. Na ausência de consumo importante de bebidas alcoólicas, os seguintes fatores estão muitas vezes presentes: obesidade, triglicerídeos elevados, glicemia acima do normal ou diabetes, vírus da Hepatite C, alguns medicamentos, toxinas e produtos químicos.

 

Diagnóstico
 

Os exames usados para diagnosticar a Esteatose Hepática incluem:

- Exames de sangue: testes de função hepática, incluindo enzimas como TGO, TGP, Fosfatase Alcalina e Gama-GT, podem ajudar o médico no diagnóstico.
 
- Exames de imagem: aspectos sugestivos de aumento na quantidade de gordura hepática podem ser vistos à Ultrassonografia e também na Tomografia Computadorizada e Ressonância Magnética.


- Elastografia Hepática (Fibroscan): este exame não invasivo estima a intensidade da esteatose e avalia a presença e o grau de fibrose no fígado sem a necessidade de biópsia hepática.


- Biópsia Hepática: se há suspeita de alguma forma mais preocupante de fígado gorduroso, o médico pode solicitar uma biópsia para esclarecer a situação. É a única forma de diferenciar com confiança a esteatose simples da esteato-hepatite.

 

Qual o prognóstico da Doença hepática gordurosa?

 

O prognóstico pode ser bom, mas depende da fase em que a doença for diagnosticada e principalmente da aderência dos pacientes às condutas clínicas e tratamentos recomendados.

Desde que controlado os fatores que causaram a doença, a esteatose pode permanecer estável em torno de 70 a 80% dos pacientes. Em 20 a 30% dos casos a esteatose pode evoluir para esteato-hepatite, que pode ser controlada com o tratamento adequado. Entretanto essa forma da doença tem maior potencial de progressão ao longo dos anos para cirrose e câncer de fígado, se não for devidamente orientada.

Assim, duas condutas são fundamentais e determinantes para um melhor prognóstico para o paciente portador de esteatose ou esteato-hepatite: diagnóstico precoce indicada para as pessoas de maior risco (obesos, diabéticos, portadores de hipertensão arterial e colesterol elevado); aderência dos pacientes, ao longo da vida, às condutas e tratamento, orientadas pelo seu médico.


Tratamento

 
Infelizmente, ainda não está disponível um tratamento medicamentoso padrão eficaz para a Esteatose Hepática. O que melhor funciona é o controle dos fatores de risco que contribuem para o problema: evitar consumo alcoólico excessivo, perder peso gradualmente nos casos de sobrepeso ou obesidade, controle dos níveis de colesterol, triglicérides e glicemia, atividade física regular, hábitos saudáveis de vida e alimentação adequada com redução do teor de carboidratos.

Se algum medicamento está causando a esteatose, pode ser tentada sua suspensão ou troca.  Em casos de Esteato-Hepatite, algumas medicações podem ser tentadas no intuito de reduzir a inflamação e proteger o fígado, porém seus resultados ainda não são os ideais.

 

Fígado gorduroso, perda de peso e exercício

 

Perda de peso e exercício estão entre os tratamentos mais promissores para a doença hepática gordurosa não alcoólica. Não leva grandes quantidades de perda de peso para resultar em uma diminuição da gordura hepática. Uma diminuição de peso inferior a 10% pode ser suficiente. O exercício vigoroso resulta em uma redução da gordura hepática e também pode reduzir a inflamação da esteato-hepatite. Os efeitos a longo prazo da perda de peso e do exercício sobre o desenvolvimento importante da cirrose e suas complicações são desconhecidos. No entanto, no presente momento, a melhor abordagem teórica para a doença hepática gordurosa não alcoólica é perda de peso e exercício vigoroso. Infelizmente, apenas uma minoria de pacientes é capaz de fazer isso.

 

Please reload

Posts Recentes

December 13, 2018

October 18, 2018

Please reload

Arquivo
Please reload